LYRIC

Key: C
Genre: Theme
Harp Type: Diatonic
Skill: Any
View Video
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votes, average: 5.00 out of 5)
Loading...

-7 +6 -7 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6-8 -8 -8 -8 -8 +9
+6 +6 +6 +6 +6 +6  +8 +8
-7 +6 -7 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6  +6 +6
-8 -8 -8 -8 -8 +9
+6 +6 +6 +6 +6 +6  +8
+6 +6 +6 +6 +6 +8’ +8’
+6 +6 +6 +6 +6 -8  -8

[play 2x]:
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6 +6

-7 +6 -7 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6

-8 -8 -8 -8 -8 +9
+6 +6 +6 +6 +6 +8
+6 +6 +6 +6 +6 +8’
+6 +6 +6 +6 +6 -8
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -7 -6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6
-7 +6 -7 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6 +6

-8 -8 -8 -8 -8 +9
+6 +6 +6 +6 +6 +8  +8
+6 +6 +6 +6 +6 +8’ +8’
+6 +6 +6 +6 +6 -8  -8 -8
-7 -6 +6 -7 -6 +6  +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6  +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6  +6 +6

-8  -8 -8 +8 -8 +7 -8 +7 -7
+7  -7 -6 -6 -7 -6 -6
-7  -6 +6
-7  -6 +6 +6
+6o -6 +6
+6o -6 +6 +6 +6
-7  -6 +6 -6 -7 +6
-7  -7 +6 +6 +6
-7 -7 -7 +6 +6 +6
-7 -7 +6 +6 +6

-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6
-7 -6 +6 +6

-7 +6 -7 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6
-7 -7 -7 -6 +6 +6 +6 +6

-8 -8 -8 -8 -8 +9
+6 +6 +6 +6 +6 +8
+6 +6 +6 +6 +6 +8’

+6  +6 +6 +6 +6 -8
-7  -6 +6
-7  -6 +6
+6o -6 +6
+6o -6 +6
+6o -6 +6
+6o -6 +6
+6o -6 +6
+6o -6 +6

This is a beautiful song with a catchy melody. You can see a wonderful
version sung by Elis Regina & Antonio Carlos Jobim from a Brazilian
Bandeirantes tv special (1974):

Lyrics are below in the original Portuguese and then in English.

Lyrics
É o pau, é a pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é um laço, é o anzol
É peroba no campo, é o nó da madeira
Caingá candeia, é o matita-pereira
É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento vetando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da ciumeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de a tiradeira
É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto um desgosto, é um pouco sozinho
É um estepe, é um prego, é uma conta, é um conto
É um pingo pingando, é uma conta, é um ponto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manha, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração
É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração
É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terça
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

Added by

harmonica

SHARE

Your email address will not be published. Required fields are marked *

ADVERTISEMENT